quinta-feira, 30 de outubro de 2014

#MaratonaEnem: Uso da vírgula (Parte 1)

Na minha opinião, uma das coisas mais fáceis na Língua Portuguesa é o uso da vírgula. Porém, ainda assim, eu vejo que muita gente tem dificuldade na hora de pontuar. Por isso, decidi fazer este post explicando direitinho quando se deve ou não usá-la. Afinal, ninguém merece perder ponto no Enem por causa de uma vírgula, né? 

Para facilitar a compreensão, dividirei a explicação em duas postagens: 1° Emprego da vírgula entre os termos da oração e 2° Emprego da vírgula entre as orações de um período. Vamos à primeira parte: 
Emprego da vírgula entre os termos da oração
Para separar termos coordenados assindéticos: Termos coordenados são termos que têm a mesma função sintática (ex.: sujeito, objeto, predicativo etc.).
"Ele vende livros, jornais, fotos etc."

Para separar o aposto: 
"Marcos, nosso sobrinho, voltou hoje".

Para separar vocativo:
"Marta, você vai para escola hoje?!" 

Para separar adjuntos adverbiais deslocados: A posição normal do adjunto adverbial é depois do verbo e do objeto. Quando ele não estiver nessa posição, deverá ficar isolado por vírgulas. 
"Com muita rapidez, eles executaram o trabalho". 

Obs.: Quando o adjunto adverbial for curto, não será obrigatório o uso da vírgula. Exceto se a intenção do enunciador for dar ênfase à tal circunstância. 
"Ele se encontrou ontem com o irmão". (sem ênfase)
"Ele se encontrou, ontem, com o irmão". (com ênfase)

Para separar certas conjunções deslocadas: Normalmente a conjunção inicia a oração. No entanto, as conjunções adversativas (mas, porém, todavia) e as conclusivas (logo, por isso, portanto) podem aparecer deslocadas, isto é, fora de sua posição normal na oração. Nesse caso, elas devem ficar isoladas por vírgulas. 
"O parque não abre na segunda. Irei, portanto, na terça". 

Para indicar a elipse do verbo da oração: 
"Eu leio livros; você, jornais". (a vírgula indica a elipse do verbo ler).

Para isolar expressões retificativas e explicativas, exemplificativas e aditivas: (ou melhor, aliás, ou seja, isto é, quer dizer, por exemplo, além disso). 
"Nós viajaremos amanhã, ou melhor, sábado".

Nas datas: 
"Natal, 30 de outubro de 2014".

Antes das locuções adversativas e sim, e não e mas sim:
"Ele comprou um carro, e não uma moto". 

OBSERVAÇÃO: Casos em que, no período simples, é proibido o uso da vírgula:

Estando a oração em ordem direta (sujeito → verbo → complementos do verbo (objetos) → adjunto adverbial), o uso da vírgula é, de modo geral, desnecessário (exceto nos casos citados anteriormente).

1) Entre o sujeito e o verbo e entre o verbo e seu objeto: 
ERRADO: "Os índios, acreditaram, nos invasores". 
CORRETO: "Os índios acreditaram nos invasores". 
2) Entre o nome e seu adjunto adnominal: 
ERRADO: "A preocupação, do rapaz era enorme". 
CORRETO: "A preocupação do rapaz era enorme". 
3) Entre o nome e seu complemento nominal:
ERRADO: "A rua é paralela, ao rio". 
CORRETO: "A rua é paralela ao rio". 

Bom, é isso! Espero que tenha dado para entender direitinho. A próxima postagem será "O uso da vírgula (Parte 2)", em que abordarei  o "Emprego da vírgula entre as orações de um período". Beijos, até mais!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Olá! Deixe aqui seu comentário, sugestão ou crítica! Obrigada por visitar o Prefira Primavera. Volte mais vezes! <3